26/03/2021 voltar

Carros autônomos: segurança, perigo ou evolução?

A tendência anima os entusiastas de carros e também os do futuro.

Os veículos sempre foram alvos dos grandes projetos de inovação e, principalmente, das tendências futuristas, tais como os carros voadores, os veículos autônomos, entre muitas outras ideias. E isso, mesmo que de forma inconsciente, mexe com a imaginação e com a expectativa por esse momento. Afinal, quem é que não deseja poder usufruir dessas grandes invenções tecnológicas?

E, apesar dessas tendências terem sido apresentadas há um certo tempo, ainda não existe nada muito concreto para que, de fato, possamos ver carros autônomos ou voadores por aí, em nosso dia a dia. O que se vê são empresas e montadoras trabalhando em projetos, com parcerias, a fim de conseguir chegar em um resultado real, eficiente e seguro.

Nesse artigo, vamos apresentar mais detalhes sobre os carros autônomos, que são tão esperados por muitos motoristas. Embarque com a gente nessa leitura e saiba mais detalhes dessa tendência de veículo.

Como é o funcionamento?

O funcionamento do carro autônomo é muito simples na prática, basicamente, ele faz todo o trabalho de locomoção (andar, reduzir velocidade, frear, reconhecer obstáculos, curvas...), além disso, ele se comunica com os demais veículos, a fim de promover uma interação entre os sistemas. Permitindo assim que, enquanto o seu carro dirige, você possa dormir, ler um livro, acessar seu celular e responder e-mails, entre muitas outras atividades.

Para que isso seja possível, o carro deve contar com cinco tecnologias básicas: câmeras, sensores, GPS, Inteligência Artificial e uma central de comando, assim todas trabalham em sincronia e o carro, desta forma, reconhece semáforos, pedestres, identifica a hora exata para trocar de pista e identifica situações de perigo.

Além disso, ele pode ser classificado em cinco níveis de automação, que determina o estágio de autonomia, confira:

  • Nível 0 - sem automação - veículo que depende da condução humana, é 100% manual.

  • Nível 1 - Assistência ao motorista - grau simples e pode ser encontrado em veículos de hoje em dia. Nesse nível, o carro conta com recursos como piloto automático, controle de cruzeiro adaptativo, ou seja, apenas auxiliam na direção.

  • Nível 2 - Automação parcial - permite que o carro controle sozinho o volante e os pedais, sendo assim, pode andar por poucos quilômetros sem ação humana, porém, o motorista deve ficar atento à direção. Veículos como o Volvo XC60 e carros da Tesla (Autopilot) já têm essa tecnologia.

  • Nível 3 - Automação condicional - o carro faz detecções por sensores, a fim de tomar decisões sozinho, mas nesse caso também o motorista deve estar atento para intervir, se necessário. Especula-se que projetos da Uber e do Google estão nesta fase.

  • Nível 4 - Alta automação de direção - pode andar sozinho, pois possui capacidade de tomar decisões por meio da IA, entretanto, em condições climáticas adversas pode apresentar dificuldades de operar. Nesse nível o motorista pode desligar sua atenção da estrada, mas ainda assim o carro pode solicitar ajuda humana.

  • Nível 5 - Automação plena - atua sem interferência humana em qualquer situação, além disso, toma decisões, corrige possíveis falhas e não precisa de volante ou pedais.

Quem são os pioneiros nesse ramo?

Quase todas as fabricantes de veículos possuem projetos ou estão em desenvolvimento de veículos autônomos, entre eles estão a Ford, Volvo, General Motors, Audi, a Tesla, uma das pioneiras no ramo, entre outras.

Além desses grandes nomes, surge uma nova marca que pode surpreender - a Waymo, empresa pertencente à Alphabet, uma holding que também controla o Google. A Waymo é pioneira no tema “direção autônoma”. Para se ter uma ideia, em 2018, os carros da companhia percorreram 1,2 milhão de km na Califórnia. Já em 2020, foi atingida a marca de 32,2 milhões de km. 

Qual é a realidade atual dos carros autônomos?

A chegada dos carros autônomos está muito associada às cidades conectadas, inteligentes, o que também não é algo muito real, até então. Essa tendência ainda não é algo possível, devido à grande responsabilidade das marcas em garantir a plena segurança de todos. Para isso, inúmeros testes com a Inteligência Artificial devem ser executados, afinal, os carros autônomos terão a missão também de reduzir os índices de acidentes no trânsito.

Atualmente, duas situações são os maiores obstáculos para que essa tecnologia seja possível: a infraestrutura viária em países de todo o mundo e a segunda é a legislação, pois em grande parte dos países, por mais que exista essa tecnologia, o condutor ainda precisa ser o último responsável pela operação.

Conheça alguns modelos

Volvo XC90



BMW iNext



Mercedes-Benz Classe S



A tecnologia cada vez mais nos surpreende e nos mostra o quanto a população como um todo ganha, seja através da facilidade, da comodidade ou ainda da segurança que pode proporcionar. Mas vale lembrar que, apesar a ideia e a tendência serem interessantes, as mãos no volante nunca serão substituídas!

 

 

 


 

quero receber notícias